Dá para ficar com carro e ser sustentável?

Não consegue se adaptar ao transporte coletivo? Não suporta a idéia de pensar em realizar um percurso a pé ou de bicicleta? O carro é sua única opção? Pois bem, dá para aliar um estilo de vida na cidade mais sustentável sem abrir mão do automóvel. A idéia é sempre realizar as revisões nas datas previstas pelo manual do seu veiculo. Está sempre atento ao alinhamento e balanceamentos dos pneus, além de não se esquecer de cumprir as inspeções veiculares ambientais do seu estado. Com essas medidas simples, você vai conseguir ganhar tempo, combustível e de quebrar estará contribuindo para diminuir o lançamento de partículas nocivas ao meio ambiente e à saúde na atmosfera.

Calcule. Para trocar o óleo ou mesmo calibrar os pneus de quinze em quinze dias não vai demorar mais que alguns minutos e algumas centenas de reais, mas caso não faça nos períodos recomendados você pode ter um rombo no motor ou mesmo terá que fazer a troca dos pneus. Dessa forma, será pouco mais de alguns milhares de reais, fazendo um rombo, mas desta vez, no seu bolso.

Entendeu? Funciona assim: cuidar do carro hoje é garantir menos problemas no futuro sejam eles de ordem econômica ou ambiental.

Fraldas, qual escolher?

Mãe de primeira viagem sempre tem um montão de problemas. Os desafios vão desde os cuidados com o bebê até a consolidação da nova rotina. Mas, para as mães mais engajadas nas causas ambientais existe um problema que pode persistir com a chegada de muitos e muitos filhos: o temido uso das fraldas descartáveis.

Elas são práticas, não precisam de manutenção, porém infelizmente são feitas de plástico e quando sujas, ficam impossíveis de serem recicladas. O bom mesmo é voltar no tempo e começar a usar as antigas fraldas de pano. Com elas, você vai conseguir gerar menos impactos na geração de resíduos, além disso, vai economizar bastante dinheiro. Agora, se você está se perguntando sobre a água gasta para lavar essas fraldas, fique mais tranqüilo! O prejuizo  ambiental com o consumo de água é bem menor se comparado com aqueles que são gerados durante a produção e destinação final da fralda descartável.

Outra opção é investir em fraldas coloridas e alegres, que misturam o algodão por fora e o estar seco por dentro, garantindo conforto e estilo para seu bebê. Isso mesmo. Existem algumas opções em que apenas são trocados os absorventes internos de microfibra.

Agora, se você não consegue abrir mão da fralda descartável, que tal investir no uso pela manhã da fralda de pano e a noite usar a descartável? Com essa medida simples, você vai conseguir minimizar seus impactos ambientais e atenuar o descorfoto que uma assadura pode causar no seu filho.

Bateu de novo uma dúvida? Opte pelo bom senso.   Mas, que fique claro: ficar antenado nas tendências ambientais sobre o uso de produtos no seu pequeno hoje é garantir que no futuro ele possa fazer uso de qualquer coisa que quiser vestir com conforto e estilo.

Faça você mesmo

Não tem nada mais desagradável que olhar o guarda-roupa pela manhã e ter como cena um amontoado de peças que você não gosta mais. Minutos de indecisão se passam e um turbilhão de idéias mexe com seu cérebro até a escolha do last look para o dia que ainda parece não ter fim. A vontade quase que instantânea é de ir direto ao shopping e se jogar nas peças desejos da nova temporada. Mas, calma!!! O caminho para a sustentabilidade e o controle das emoções passa pelo equilíbrio. Então, que tal ao invés de consumir uma nova peça de roupa, você não invista na customização? Nada mais original para garantir seu estilo e deixar aquela antiga roupa com cara de nova e feita sob medida.

Você pode aproveitar materiais que já tem em casa como lixa e água sanitária, além é claro, da boa e velha tesoura. Faça da calça antiga e pega-frango um super moderno short boyfriend destroyed para o verão que está prestes a começar. Ou mesmo transforme sua índigo denim blue num jeans délavé, o novo hit da temperada. Com certeza serão horas de inspiração que vão colocar para escanteio os delírios incontroláveis de consumo.

Comprou sapato? Vai levar a caixa?

Quase toda mulher adora fazer compras. Boa parte delas é apaixonada por sapatos. Nada mais natural, que quase sempre, que uma mulher vá fazer compras ela leve para casa um par de sapatos. Aí vem a pergunta inevitável do vendedor: vai levar o sapato com ou sem caixa? Logo, para as mais preocupadas com as questões ambientais, um novo impasse se forma: “ Com qual decisão irei impactar menos o meio ambiente?”

Na verdade, a decisão é simples. Basta levar em consideração o seu gosto e até que ponto você se engaja no reaproveitamento de materiais. Caso opte pela caixa, a idéia é reaproveitá-la para guardar objetos de usos pessoais ou usá-la no seu devido fim, ou seja, para guardar o sapato.

Agora, decidiu deixar na loja as caixas de papel e papelão, cobre uma destinação correta do estabelecimento e saiba que você deu o primeiro passo para um mundo melhor e mais sustentável.

Pilhas e baterias, o que fazer?

Os equipamentos eletrônicos portáteis são uma mão na roda. Podemos levá-los para qualquer canto e construir nosso mundinho de entretenimento e diversão individual. Normalmente são movidos a pilhas e baterias. Mas, depois de um longo período de uso e incansáveis horas de recarga é inevitável o fim dos sistemas que alimentam com energia nossos tão preciosos equipamentos. É nesse momento que surge a famosa dúvida: Como devo descartar as pilhas e as baterias usadas?

Vamos por partes e começamos com o que não deve ser feito. Nunca jogue fora as pilhas e as baterias velhas junto com o lixo comum gerado em casa. Na composição dessas pilhas são encontrados metais pesados como: cádmio, chumbo, mercúrio, que são extremamente perigosos à saúde humana e quando descartados de forma inadequada podem contaminar os solos e a água.

Caso em seu município exista uma coleta doméstica específica para retirada de lixo contaminante, o ideal é separar o lixo tóxico do restante. Você vai facilitar a coleta e posterior armazenagem desse lixo em aterros especiais. Porém, se na sua cidade não está disponível esse sistema, o melhor é fazer a separação dos resíduos e procurar os postos de coleta, os chamados “papa-pilhas”. Em Belo Horizonte, por exemplo, várias redes de supermercados estão recebendo esses materiais e até mesmo o Centro Mineiro de Referência em Resíduos e algumas agências do Banco Real.

Contudo, se é inexistente esse tipo de iniciativa no seu município, o melhor é ligar para o Sistema de Atendimento ao Consumidor, o famoso SAC, do fabricante e cobrar quais são os procedimentos para o recolhimento do resíduo gerado por um produto desenvolvido por ele. Isso porque já existem leis que obrigam os fabricantes a receberem de volta pilhas e baterias, e desta forma dar a elas o destino adequado.

Agora, caso opte de cara pelo envio ao fabricante, você estará dando um passo importante, já que estará alertando e cobrando uma posição de consciência e responsabilidade para o destino adequado de um produto desde sua produção até o seu descarte para quem o colocou no mercado.

UHHMMM! ECA…

Já teve uma estranha sensação de passar pela calçada e pisar num montinho mal cheiroso feito pelo seu melhor amigo? Sem dúvida, não tem situação mais desagradável do que esta. Mas, com medidas simples é possível evitar esse problema. A dica é  evitar as  sacolinhas plásticas e dar um uso mais sustentável para seus jornais velhos. Isso mesmo, toda vez que você for passear com seu pet, ao invés de usar sacolinhas utilize o jornal. Com certeza, a famosa cena cômica, porém irritante e nojenta vai ficar somente nos seus piores sonhos.

Agora, se estiver em casa e quiser dar um fim mais nobre às fezes do seu bichano, o melhor é usar o vaso sanitário. Isso porque você vai evitar de encaminhar para o aterro sanitário lixo contaminante e de quebra vai contribuir para o tratamento adequado desse resíduo, que será tratado em uma estação de tratamento de esgoto de forma correta. As vantagens não param por aí. A sua casa vai ficar muito mais cheirosa e agradável, já que você não vai precisar esperar até o dia do caminhão da coleta de lixo passar para se ver livre do cocô

Para onde mando os móveis antigos?

Sabe aquele guarda-roupa velho, o sofá antigo e aquela mesinha que não combinam mais com sua decoração? Pois bem, tenho certeza que você já se perguntou como se livrar deles. Mas existe uma maneira de fazer o descarte correto de móveis antigos e ser sustentável?

A melhor opção é fazer uma doação para os mais necessitados. Agora, se você tem aptidão manual talvez seja o caso de reformar e reutilizar esses móveis velhos de outra forma, dando novos usos para eles. No post  “Cara nova para objetos antigos” já algumas dicas. Porém, se não tem mais jeito, o seu antigo mobiliário não tem salvação, o negócio é contratar o serviço de uma empresa especializada em destinações certificadas para o envio correto das peças para um bota-fora licenciado.