Arquivo do mês: novembro 2010

Como compro carne de forma sustentável?

Tem horas que todo mundo que é apaixonado por carne  e que tenta ter um dia a dia mais sustentável se vê num dilema no supermercado: como escolher a melhor forma de comprar carne e gerar o menor impacto ambiental possível?

 A resposta está nas escolhas. A primeira decisão deve ser feita em relação a compra  da carne orgânica. Ao escolher a carne certificada com selo orgânico, você terá certeza de que a fazenda onde o gado foi criado é certificada e que segue normas que exigem o cumprimento da legislação ambiental, o que garante a proteção das áreas naturais dentro da propriedade rural. 

O próximo passo fica a cargo da escolha das embalagens. Você deve escolher os produtos vendidos a granel e pesados em  sacos plásticos e evitar as temidas bandejinhas de isopor. Isso porque depois do plástico limpo é possível enviá-lo para reciclagem e  já o isopor seu único destino  é o aterro sanitário, na melhor das hipóteses.

Por fim, para liquidar a dúvida, o melhor é optar por pacotes em tamanho família ou que apresentam maior quantidade de produto. Dessa forma, você leva para casa um único pacote e, certamente, irá descartar menos resíduo.

Happy Hour consciente

Depois de um longo dia estressante só mesmo um happy hour para exorcizar os problemas. O bate papo com os amigos e um copo com qualquer bebida bem gelada são a garantia de que a noite não vai ter erro. Mas, para se ter a certeza de que sua saída não vai ter falha alguma com as questões ambientais, duas atitudes bem simples podem fazer toda a diferença. Primeiro, escolha os produtos feitos no país onde você está. Segundo, opte por produtos feitos com matéria-prima da época, ou seja, que estejam na safra.

Sim. Eu sei que adotar essas medidas requer paciência e um pouco de boa vontade. Porém, tudo depende de um olhar mais apurado no menu. Vai escolher um vinho,  opte por versões nacionais. Não gosta. Então, escolha na carta de vinhos as opções produzidas nos países vizinhos. Comece regionalizando suas escolhas. Agora, se você não consegue abrir mão de ter um prazer saciado, faça valer a teoria da compensação.  Dessa forma, você pode levar uma vida mais leve e prazerosa, além de conseguir sempre ter uma boa noite de sono.

Compras on line

As festas de fim de ano já estão próximas e para os apaixonados pelas comemorações de  Natal e  Ano Novo  não tem período mais estressante. São horas e horas no trânsito ou em filas intermináveis para conseguir pagar o presente ou a “lembrancinha”.  Mas será que é possível ficar em dia com os presentes de Natal, evitar os longos congestionamentos e de quebra ser sustentável?

A resposta está a apenas alguns cliques do seu mouse. Isso mesmo. Nada melhor que realizar suas compras pela internet. Você vai conseguir mais tempo livre, além de contribuir para a diminuição do tráfego e eliminar as sobras desnecessárias de embrulhos feitos pelas lojas. As vantagens não param por aí. Você pode conseguir a última peça de um produto com um superdesconto sem ter que brigar com  ninguém!

Óleo de cozinha usado, o que fazer?

Se deliciar no pecado da gula pode ser uma boa alternativa após um dia longo de trabalho. E nada mais reconfortante que uma boa fritura para os adeptos de uma “comidinha gorducha”. Uma porção de batata frita, um filé empanado ou um pastelzinho pode ser sua salvação para aliviar as tensões,  mas qual é a melhor maneira para se livrar do óleo usado na fritura sem grandes problemas, evitando a dor de consciência?

A idéia é escolher uma vasilha na qual você possa guardá-lo para depois reutilizá-lo para a fabricação doméstica de sabão ou simplesmente contratar uma empresa especializada no recolhimento desse resíduo.

A única coisa que deve ser evitada é fazer o descarte do óleo no ralo da pia. Muitas vezes o óleo pode atingir o solo, contribuindo para a impermeabilização e dificultando a absorção de água da chuva. O que pode gerar  enchentes. Além disso, a decomposição do óleo de cozinha usado emite na atmosfera metano, um dos principais gases causadores do efeito estufa, responsável pelo aquecimento global.

Seguindo esses cuidados simples, você vai ajudar a evitar a poluição do meio ambiente e na certa vai diminuir a possibilidade de ter um encanamento danificado.

Roupas eco-friendly

Tem gente que fica louca só de pensar de como seria se vestir todo sustentável. Para muitos seria impossível, para outros seria uma afronta fashion, pois várias marcas que são eco-friendly não acompanham as tendências. Mas seria possível eliminar esse conflito sem perdas ambientais e com um up grade no look?

Tingimento da coleção Verão 2010/11, Osklen

Se depender de algumas marcas brasileiras como a Osklen, Ronaldo Fraga e Patachou sem dúvida alguma um bom look pode ser montado com peças mais sustentáveis. A Osklen tem vários produtos que são produzidos visando a sustentabilidade e o mínimo de impactos ambientais. A Patachou, há algum tempo, tinha um projeto que reaproveitava todos os retalhos de tecidos usados na confecção das roupas para o desenvolvimento de peças para “linha home”, que tinha produtos que iam desde jogos americanos a guardanapos. Já Ronaldo Franga não perde a oportunidade de usar as bordadeiras de Minas e o tingimento natural para garantir a brasilidade de suas peças, contribuindo para a reflexão das causas ambientais e dando sua contribuição para as culturas locais, minimizando impactos com transporte de matérias-primas importadas.

Foto: Marie Claire On Line

Agora, para quem não consegue abrir mão do jeans, um bom negócio é fazer um bom investimento na nova linha da marca Levi’s que chegará nas lojas brasileiras em fevereiro de 2011. As calças são fabricadas com o novo sistema Water<Less, feito para economizar a água usada nas lavagens que fazem parte do processo de produção do jeans.

Não perca mais tempo, faça do seu corpo e das roupas que você usa um instrumento de disseminação de informação em prol do planeta.

Brinquedos Ecológicos

Pais ecológicos e engajados querem criar filhos também empenhados na preservação do meio ambiente. Boa parte da educação dos pequenos começa na escolha dos brinquedos que vão movimentar a infância. Mas, existem brinquedos infantis verdes que não prejudicam o divertimento, nem o meio ambiente?

Na verdade existem várias soluções e opções de brinquedos e brincadeiras que pode possibilitar uma vida mais verde e incentivar às crianças a serem futuros ecologistas. A escolha começa avaliando os brinquedos em relação ao material usado na fabricação do produto. O interessante é optar por brinquedos feitos de madeira sustentável, bambu, plástico sem PVC, borracha, feltro, algodão e outros tecidos orgânicos, qualquer brinquedo que não tenha uma tinta ou revestimento tóxico e, claro, aqueles que sejam compostos por material reciclado.

Fique de olho também de onde veio os brinquedos infantis que você vai levar para casa. Quanto mais perto for o país de origem de onde ele foi fabricado melhor. Isto porque existem custos ambientais elevados com o tranporte dos produtos de um país para o outro.

Invista em brinquedos infantis de qualidade, ou seja, duradouros. Assim, serão menos os brinquedos que irão para o lixo após pouca ou nenhuma utilização. Outra opção é aproveitar os brinquedos dos irmãos, primos ou amigos mais velhos.

As pilhas e as baterias são tudo menos amigas do ambiente, por isso, evite adquirir brinquedos que precisam deste tipo de suporte. Se não tiver alternativa, opte sempre por utilizar pilhas recarregáveis. Caso contrário, invista em brinquedos movidos a energia solar – é o futuro dos brinquedos infantis.Escolha também os brinquedos que apresentam a menor quantidade ou volume de embalagem ou mesmo pense na alternativa de adquirir um brinquedo feito por a artesãos locais.

Agora, se você quer evitar o consumo desnecessário de produtos? Que tal incentivar os trabalhos manuais nos pequenos. Assegure-se que todo o material utilizado como papel reciclado, lápis de cera, colas e tintas sejam amigos do meio ambiente. Outra excelente idéia é levar as crianças para brincar ao ar livre e simplesmente incentivar nelas antigas brincadeiras como saltar corda, andar de bicicleta, bricadeira as escondidas. Faça de uma simples tarde um momento de educação e conciência ambiental.

Dá para ficar com carro e ser sustentável?

Não consegue se adaptar ao transporte coletivo? Não suporta a idéia de pensar em realizar um percurso a pé ou de bicicleta? O carro é sua única opção? Pois bem, dá para aliar um estilo de vida na cidade mais sustentável sem abrir mão do automóvel. A idéia é sempre realizar as revisões nas datas previstas pelo manual do seu veiculo. Está sempre atento ao alinhamento e balanceamentos dos pneus, além de não se esquecer de cumprir as inspeções veiculares ambientais do seu estado. Com essas medidas simples, você vai conseguir ganhar tempo, combustível e de quebrar estará contribuindo para diminuir o lançamento de partículas nocivas ao meio ambiente e à saúde na atmosfera.

Calcule. Para trocar o óleo ou mesmo calibrar os pneus de quinze em quinze dias não vai demorar mais que alguns minutos e algumas centenas de reais, mas caso não faça nos períodos recomendados você pode ter um rombo no motor ou mesmo terá que fazer a troca dos pneus. Dessa forma, será pouco mais de alguns milhares de reais, fazendo um rombo, mas desta vez, no seu bolso.

Entendeu? Funciona assim: cuidar do carro hoje é garantir menos problemas no futuro sejam eles de ordem econômica ou ambiental.